Follow by Email

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Poema do navegador solitário

internet
internoite
internada

interninguém

nas terras onde aporto
não há porto
só o indeciso reflexo
de uma realidade virtual

(da série "Meus pecados poéticos")