Follow by Email

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Que língua é essa?

- Hoje estou meio pra baixo.
- Pra baixo?
- Down.
- Ah! Agora entendi. Por que você não vai ao shopping? Lá, quem sabe, você dá um upgrade no seu ânimo. Um stop nesse baixo-astral.
- Sorry, mano, mas não dá. Indo ao shopping, vejo aquelas novidades fashion que estão fora do meu alcance e fico na pior. Por falta de money.
- Mas dá para aproveitar os produtos on sale, brother. Não se sinta tão out.
- Tenho tentado ficar in, mas não consigo.
- Eu sei qual é o seu problema. Inputs errados.
- Explain, please.
- Você só assimila o que não presta. Tem uma mentalidade de bad boy.
- Você quer dizer que o meu espírito é hard?
- Isso. Você precisa ficar mais soft, botar um pouco de technicolor na tela da sua vida.
- De fato, ela está meio dark.
- Meio? Está noir toda. Procure uma alternativa.
- Infelizmente não me vem nenhum insight quanto a isso.
- Que tal uma girl? Nada como um love story para tornar o mundo interessante.
- Mas só enquanto a paixão dura... Depois se volta ao real, ao the dream is over.
- Eu sei, é tudo uma questão de time. Mas se a gente for pensar nisso, não faz nada. Você parece uma pessoa que quer viajar e se recusa a fazer o check-in. Desse jeito não voa, fica sempre no chão.
- Como fazer o check-in se me falta o ticket? Eis o que sou, existencialmente falando: alguém que quer viajar sem ter comprado a passagem.
- Depois dessa eu vou indo, senão sua tristeza passa pra mim. Good bye.
- Good bye. Quando nos veremos de novo?
- Quer mesmo saber? Se você continuar desse jeito, talvez never.

terça-feira, 8 de junho de 2010

O melhor amigo

Nestor tinha pavor de ser traído. Casado há dois anos com Verinha, sofria pesadelos imaginando-a com outro. Como esse medo se tornava uma obsessão, ele sentiu que precisava desabafar com alguém para não enlouquecer. Pensou em Eduardo, seu melhor amigo. E um dia, entre uma cerveja e outra, falou-lhe da sua angústia.
O amigo, para surpresa de Nestor, não lhe tirava a razão:
- Longe de mim duvidar da honestidade de Verinha, mas hoje os tempos são outros. Li recentemente que as mulheres estão traindo tanto quanto os homens.
- Você leu? Onde? -- quis saber Nestor, aflito, passando sem querer a mão na testa.
- Ah, li em vários lugares... E tenho uma tese sobre isso: as mulheres traem justamente os pudicos, os certinhos.
- Os certinhos, como eu? Explique melhor.
duardo emborcou a metade do copo de cerveja e prosseguiu:
- Para mim, mulher só é fiel quando tem medo de ser traída. A fidelidade nela não é uma virtude, mas uma estratégia de defesa. A mulher só ignora os outros homens quando convive, concretamente, com a possibilidade de perder o seu.
- Mas isso é um absurdo. Ou você está doido, ou leu muito Nelson Rodrigues.
- Vá por mim, Nestor. Quer que Verinha seja fiel a você? Dê a entender a ela que tem outra -- ou melhor: tenha mesmo outra! Ela vai ficar tão concentrada nisso, que não enxergará no mundo outro homem além de você.
A conversa não saiu da cabeça de Nestor, que terminou vendo algum sentido nas palavras de Eduardo. Precisava “preocupar” Verinha para que ela não tivesse tempo nem ânimo de pensar em outro. Uma semana depois começou a namorar Alzira, caixa de uma lanchonete que, havia já algum tempo, enrubescia quando dava o troco a ele. Como trabalhavam de dia, marcaram para se ver de noite pelo menos uma vez na semana.
Verinha, claro, começou a desconfiar. O que podiam significar aquelas fugas noturnas senão outra mulher? Sofreu em silêncio até que não aguentou mais e resolveu se abrir com alguém. E ninguém mais adequado para confidente do que Eduardo, o melhor amigo do marido. Ele devia saber de alguma coisa.
E sabia mesmo. Eduardo lhe propôs um encontro numa lanchonete (a mesma, por sinal, onde Alzira trabalhava) para conversarem sobre “o caso de Nestor”.
- Ele tem um caso? - foi a primeira pergunta que Verinha fez antes de pedirem um sanduíche com suco de laranja.
- Infelizmente, sim. Você não merecia... ou melhor: merecia.
- Eu merecia? Por quê?
- Verinha, você não conhece a psicologia masculina. A fidelidade no homem não é uma virtude, mas uma estratégia de defesa. O homem só ignora as outras mulheres quando convive, concretamente, com a possibilidade de perder a sua. Por que não lhe dá uma lição?
- Lição?
- Claro. Arranje alguém. Quando Nestor desconfiar de que você tem outro, vai ficar desesperado e se tornar de novo um marido fiel.
Verinha ficou impressionada com a conversa. Dias depois, telefonou para Eduardo a fim de aprofundarem o assunto. E não só para isto. Se tinha mesmo que trair Nestor, que fosse com alguém que lhe dissera palavras tão sábias.