sábado, 12 de setembro de 2015

Cantiga para o menino morto

           Não é concha, nem sargaço,
             nem flores de Iemanjá.
             É o corpo de um menino
             que veio lá do alto mar.

             É o malogro de um sonho.   
             O alento de esperança     
             que as águas sufocaram     
             junto com aquela criança.
  
            Os pais fugiam da guerra
            E ali agora ele jaz
            todo vestido, no sono
            de uma indesejável paz.  

            A paz da vida cortada
            bem antes de florescer.  
            Do futuro que se nega    
            a quem queria viver.                
  
            No colchão da praia erma
            pousa o corpo de Aylan
            como um brinquedo quebrado                             
            -- sem ontem, sem amanhã.
            
           A história desse menino
           (disso não há duvidar)    
           é das histórias mais tristes     
            que se contam sobre o mar.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arte e liberdade