domingo, 18 de setembro de 2011

Conversa sem fim

Há tempos Tancredo queria acabar o namoro com Danusa, mas não conseguia. Além de persistente, ela era imbatível no uso das palavras. Apesar disso ele resolveu fazer mais uma tentativa:
- Está tudo acabado entre nós.
- Tudo o quê? O que houve foi tão pouco... Se você se precipitar, pode se arrepender.
- Não vou me arrepender. Sei disso.
- Sabe disso agora, mas arrependimento não ocorre antes. Vem depois. E quem sabe o que nos reserva o futuro? -- Disse isso com um ar sombrio e reflexivo, que assustou Tancredo. Mas desta vez ele parecia decidido:
- Não dá mais. Nosso namoro perdeu a graça.
- Bom sinal. Isso quer dizer que ficou sério.
- Não falo de “graça” riso. Falo de “graça”... empolgação. Não existe mais o prazer da novidade. Ficou tudo muito previsível.
- Exagero seu -- protestou a moça. -- Aposto que você não sabe a surpresa que eu ia lhe fazer hoje.
- Surpresa?! Qual?
- Ia lhe convidar pra gente ir ao shopping assistir um filme e depois comer pizza.
- Mas a gente faz isso o tempo todo!
- Por isso eu disse que “ia” lhe fazer a surpresa. Como sei que você não suporta esse programa, desisti de propor a ideia. Viu como lhe conheço bem?
Tancredo suspirou, já se dando por vencido. Cada vez mais se convencia de que, se quisesse acabar tudo, tinha que ir embora sem dar explicações
- Está bem... Vamos esperar mais um pouco.
- Que foi que eu disse? Você ia se arrepender... -- Ficou um tempo pensativa: -- Só lhe peço uma coisa. Se um dia resolver mesmo me deixar, avise antes. Acho horrível esses casais que vão embora em silêncio, como se nunca tivesse havido nada entre eles. Você promete... sempre conversar?
- Prometo.
- Eu juro, juro sempre respeitar seus motivos.

Um comentário:

  1. Tadinho do Tancredo, meu Deus!!! hauahauhauahauaha

    Odeiooo gente insistente como a Danusa... ^^

    Beijos

    Luana

    ResponderExcluir

Arte e liberdade