domingo, 7 de dezembro de 2014

O cão

     Cão negro, cão negro
     fiel inimigo,
     que me leva à beira
     do escuro abismo.

    Quebra-me o espelho
    quando mais preciso
    me ver por inteiro
    (desfeito Narciso).

    Se me afaga, sopra
    seu hálito frio.
    Faz do meu desejo
    este porão vazio.  
  
    Juntos dividimos  
    igual calabouço.
    Minha dor, seu riso  
    Minha alma, seu osso. 


  (da série "Meus pecados poéticos") 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arte e liberdade