quinta-feira, 15 de setembro de 2016

De convicções e provas

Os versos abaixo não representam propriamente minhas... convicções, mas não deu para resistir ao mote:

Jesus Cristo era um romano
infiltrado no povão.
Hiroshima foi desfeita
com uma bomba de São-João.
Hitler era um cruzamento
de judeu e alemão.
NÃO TENHO COMO PROVAR,
MAS TENHO CONVICÇÃO.

Bin Laden vai virar santo
por seu grande coração.
Eva, em vez de maçã,  
deu uma pera a Adão.
O que não há no Brasil
é político ladrão.  
NÃO TENHO COMO PROVAR,
MAS TENHO CONVICÇÃO.

Dei uma finta em Zico  
e dois “lençóis” em Pelé.
Aqui em casa mando eu –
sabe bem disso a mulher.
Fiz ópera com Pavarotti
e alisei o cangote  
da Piovani e da Brunet.
Quem duvida do que eu digo
atente bem no refrão:
NÃO TENHO COMO PROVAR,
MAS TENHO CONVICÇÃO. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Notas sobre a pandemia (23)