Follow by Email

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Falando sério

    O Dia da Pátria merece uma reflexão, digamos, positiva. Nós brasileiros costumamos brincar com tudo (ou quase), mas chega o momento em que precisamos falar sério. Pois a verdade é que amamos o Brasil. Sonhamos deixar de lado o velho “complexo de vira-latas” e assumir o garbo varonil de um pit-bull (se exagero, permitam-me sonhar com essa possibilidade). Sou patriota (sem dar bandeira...), por isso encaro com otimismo e esperança as tenebrosas revelações que têm sido feitas sobre a corrupção.
          O que move um delator é em princípio o medo de ser preso (ou de continuar na prisão). Dá para entender isso. Afinal, uma cela de penitenciária não é o melhor lugar para receber a visita dos netos. Mas acho que a esse medo acrescenta-se outra coisa. Algo como a lenta percepção de que se chegou ao fundo do poço e está na hora de pelo menos tentar um basta. “Tentar”, para trazer alguma paz à consciência. O ser humano responde à atmosfera social, ao espírito do tempo, e todo esse atual empenho em investigar, acarear, punir acaba sensibilizando mesmo a consciência mais empedernida.
         Quem se dispõe a fazer um “pacto de sangue” para preservar seus cúmplices, o que não fará se for convencido de que a grande meta, o objetivo pelo qual realmente vale a pena morrer é harmonizar o bem pessoal com o da coletividade? É pensar nos outros? Acho que tudo ficará melhor se cada delator for com o tempo se revelando não um cético, não um cínico, não um prático -- mas um arrependido. Existe muito pecado do lado de cá do Equador, e o sentimento de culpa (quem sabe?) poderá salvar o Brasil.